Retrospectiva do Ecossistema em 2020

Estamos na reta final do ano. Pela primeira vez, em 2020, nos falta aquele sentimento de nostalgia, de relembrar o que foi feito nos últimos meses, e fazer um balanço do que houve de bom e nem tão bom assim.

A pandemia e o isolamento social pegou a todos de surpresa. De forma abrupta, nos impôs mudanças que afetaram e prometem ditar a partir de agora os nossos hábitos no âmbito social, de trabalho e de negócios.

É inegável que 2020 foi um ano de promessas. Todos nós, inclusive a Campinas Tech, tínhamos vários planos para executar durante o ano. Ficará para o próximo.

É preciso fazer uma retrospectiva de 2020

Contudo, temos que reconhecer que nem só de home office e eventos online foi 2020. O cenário de incertezas que permearam o ano e prometem durar ainda alguns meses nos obrigou, mais do que nunca, a sermos resilientes e inovadores.

O ecossistema campineiro não parou. Várias iniciativas e conquistas mostraram o poder de inovação dos nossos atores; evidenciaram oportunidades subestimadas e nos enchem de expectativas do que o futuro próximo nos aguarda.

Agora, chegou a hora de relembrar, exaltar e refletir sobre eles.

Campinas é oficialmente uma metrópole!

Em junho, Campinas foi classificada como umas das 15 metrópoles brasileiras segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A cidade é a primeira, sem ser capital estadual, a figurar como um dos principais centros urbanos do país.

A classificação é de extrema importância, uma vez que coloca o município como referência para estudos de políticas públicas regionais.

Além disso, o novo status ainda exige que novas políticas públicas sejam pensadas e aplicadas para atender as necessidades da nova metrópole. O ecossistema só tende a ganhar.

César Gon concorreu a “Empreendedor do Ano Global”

César Gon, fundador e CEO da CI&T, e Empreendedor do Ano 2020 pela EY no Brasil | Foto: Divulgação.

Um dos maiores nomes do nosso ecossistema, César Gon – fundador e CEO da CI&T – havia sido eleito em 2019 como o Empreendedor do Ano pela Ernst & Young (EY) no Brasil. O empreendedor concorreu ao prêmio Master com outros cinco grandes empresários brasileiros e em junho deste ano, representou o país na disputa pelo título global.

A eleição foi decidida por voto popular via internet, e a indiana Kiran Mazumdar-Shaw, fundadora da Biocon, acabou levando a premiação.

Não foi dessa vez que trouxemos o prêmio para o Brasil e Campinas, mas fica aqui o orgulho por termos nossos empreendedores reconhecidos mundialmente. Obrigado César!

Mais conexões no ecossistema

Durante todo o segundo semestre, um programa inédito abriu um mar de possibilidades para startups e grandes empresas de Campinas e região: o Campinas Tech Connection.

Uma realização do comitê de Corporate Innovation da Campinas Tech, o programa identificou, selecionou e desenvolveu startups da região através do desenvolvimento de pilotos e projetos com as empresas do comitê e seus fornecedores, parceiros e clientes.

A iniciativa combinou oportunidades de negócio e um programa de mentoria com os principais executivos das corporações participantes. Entre elas, estão: 3M CPFL, DHL, Enforce, Matera, Superlógica e Thomson Reuters.

Com encontros recorrentes e totalmente remotos, as startups tiveram conexões facilitadas com grandes nomes do empreendedorismo, investidores e mentores.

No último dia 10.12, durante a 9ª Conferência Campinas Startups, pudemos prestigiar os resultados com o pitch das startups que passaram pelo programa. Confira!

Devido ao sucesso, a 2ª edição do programa já é certa. Mais conexões virão em 2021.

Deixamos o pódio

Se em 2019 Campinas era “a cidade mais inteligente e conectada do país”, este ano ela ocupou o 4º lugar do Ranking Connected Smart Cities.

O ranking é resultado do relatório elaborado pela empresa de consultoria e inteligência de mercado Urban Systems, e tem o objetivo de mapear os municípios com maior potencial de desenvolvimento no país.

Anualmente, o levantamento analisa publicações nacionais e internacionais sobre as cidades. Ele leva em consideração os seguintes indicadores: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, economia, educação, saúde, segurança, empreendedorismo e governança.

A pontuação máxima possível no ranking é de 69,5 e Campinas alcançou 36,3. Posicionando-se perante o ranking, a prefeitura municipal diz que ações já estão sendo realizadas e devem gerar impactos positivos já na próxima avaliação (saiba mais).

Torcemos!

Empreendedorismo mão na massa ganha as universidades

A Universidade Estadual de Campinas e a Pontifícia Universidade Católica de Campinas ganharam, cada uma, espaços de tecnologia e inovação.

No campus I da PUC, o Espaço Mescla surge como um misto de coworking e laboratório de fabricação digital. O local visa integrar estudantes, professores e pesquisadores das diversas áreas e cursos da universidade em projetos interdisciplinares.

Aberto ao público, o espaço promete criar conexões entre os projetos desenvolvidos no local com empreendedores, empresas, investidores e outras instituições de ensino e pesquisa.

Na Unicamp, a reitoria apresentou em novembro o Espaço Plasma, que já está em funcionamento e vem com o intuito de viabilizar o desenvolvimento de ideias e criações dos alunos da universidade.

O espaço promove ambientes de coworking, estúdio de gravação e espaço maker com diversos equipamentos. Por viabilizar o encontro de alunos de diversas áreas, o ambiente pretende suscitar ainda mais a integração interdisciplinar e colaborativa em torno dos projetos desenvolvidos na universidade.

Dessa forma, pretende-se ainda que o local seja totalmente gerido e organizado pelos estudantes e que possa funcionar 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Tanto o Mescla quanto o Plasma, embora em funcionamento, estão seguindo todas as restrições sanitárias impostas pela pandemia. Assim, quando tudo se normalizar e todo o potencial dos espaços começarem a ser utilizados, conheceremos o real impacto da novidade.

Ecossistema tecnológico ainda mais forte

Inaugurado em 2018, foi agora em outubro de 2020 que o acelerador de partículas nacional, Sirius, iniciou oficialmente a sua primeira linha de pesquisa, chamada Manacá.

Pesquisas já vinham sendo feitas em caráter emergencial sobre o novo coronavírus, enquanto o projeto ainda passava por ajustes. Porém, desde outubro, outros pesquisadores já podem contribuir.

Com a iniciativa, Campinas entra no mapa internacional da luta contra o novo coronavírus com um forte aliado.

Paralelamente, este ano, o Hub Internacional para o Desenvolvimento Sustentável (HIDS) ganhou mais força. Iniciativa liderada pela Unicamp, o hub visa construir uma estrutura que combina e articula ações para o desenvolvimento sustentável de forma ampla, incluindo ações que tenham impactos nos eixos social, econômico e ambiental.

O HIDS está longe de ser uma iniciativa exclusiva da Universidade. A intenção é que o espaço tenha a parceria e cooperação de outras instituições de ensino e pesquisa locais, nacionais e internacionais.

Mapeamento do Ecossistema

A partir de um trabalho altamente colaborativo, a Campinas Tech disponibilizou em outubro uma plataforma para mapear os atores de tecnologia de Campinas e Região.

Vista de drone da região central de Campinas (2020) | Foto: Acervo Campinas Tech | Divulgação.

Basicamente, o mapeamento reúne startups, instituições de ensino, centros de pesquisa, universidades, grandes empresas e startups que exercem atividades baseadas em desenvolvimento tecnológico.

A plataforma utiliza um sistema similar ao Google Maps e busca oferecer um levantamento mais real e atual sobre o setor tecnológico. Construída sob open source, a plataforma é aberta para quem quiser colaborar na construção e aperfeiçoamento de seus recursos.

Gerando talentos na tecnologia

Pensando em ajudar a suprir a demanda por profissionais de tecnologia, a Campinas Tech e a Share RH aceitaram o desafio e, sendo braços do movimento Novo Futuro Tech em Campinas e região, criaram o Campinas Tech Talents.

Trata-se de um programa de formação e qualificação profissional de pessoas desenvolvedoras, que irão se especializar, de forma gratuita e online, nas principais linguagens demandadas pelo mercado.

Com inscrições encerradas em novembro, o programa teve mais de 1,7 mil candidatos, provenientes dos quatro cantos do país. Porém, para participar, não era necessário ter qualquer conhecimento prévio em programação. Bastava passar por uma pré-formação em conhecimentos básicos fornecidos pelo próprio programa.

A partir de janeiro de 2021, 240 selecionados passarão por trilhas de formação avançada em Java, Python, React, Node.js, .Net em C# ou Kotlin. As trilhas serão fornecidas por 8 startups e empresas tech da região, que poderão ainda contratar os alunos que se destacarem durante a formação.

Expectativas para 2021

As notícias sobre a vacina nos enchem de esperança, mas ainda precisamos ter cautela. Ainda é cedo para contar com atividades e conexões presenciais como eram antes da pandemia. Pelo menos a curto prazo.

Por outro lado, nesta retrospectiva de 2020, o ecossistema mostrou sua capacidade de se reinventar e inovar em meio às dificuldades e limitações. E é com essas lições que devemos levar para crescê-lo ainda mais.

Em 2022, ao que tudo indica, o Web Summit, uma das maiores conferências de tecnologia do mundo, terá uma edição brasileira.

A cidade escolhida para sediar o evento ainda não foi decidida, mas nosso VP de Ecossistema, José Eduardo Azarite, lançou o desafio: trazer a conferência para Campinas. As ações do ecossistema ao longo de 2021 podem, portanto, ser decisivas para isso.


Redação por:
Felipe, da Campinas Tech.

Campinas Tech Connection

 

Atualmente, quando debatemos acerca da inovação aberta e de como a mesma traz inúmeros benefícios para as empresas, uma das estratégias mais bem vistas – e desafiadoras em sua execução – é a conquista da inovação através do relacionamento e cooperação entre startups e corporates.

Com culturas organizacionais muitas vezes distintas, a princípio é desafiador criar um diálogo entre esses dois modelos de negócio. Buscar um alinhamento entre os segmentos e os serviços oferecidos por ambas requer destreza dos líderes e times envolvidos no processo de cooperação.

Os desafios para alcançar a Inovação

Hoje é bastante comum grandes empresas, dos mais variados segmentos, organizarem prêmios, desafios ou programas destinados a startups. O intuito é encontrar a pupila que lhes ajudará a inovar.

Dentro de alguns critérios de seleção e posteriormente, adequação do negócio, as startups que chegam ao fim destes processos conseguem dar um salto gigantesco em vários aspectos do negócio. Por outro lado, as corporações conseguem trazer novas soluções ou inovar em seus processos.

Para as startups, os ganhos vão desde a maturação do negócio; a visibilidade e prestígio dentro do universo empreendedor – o que pode facilitar muito no acesso ao venture capital; a segurança financeira – uma vez que passam a ter um grande e fixo cliente; até uma possível fusão à corporate que promoveu a oportunidade.

Conexões para inovar

Embora os programas de seleção de startups estejam em alta, há outras inúmeras iniciativas que uma empresa pode adotar para o alcance da inovação no ambiente corporativo. Aqui no ecossistema campineiro contamos com um Comitê de Corporate Innovation que reúne diversas grandes empresas da região para a aplicação da inovação aberta. Hoje fazem parte desse grupo a 3M, CPFL, DHL, Enforce, Matera, Superlógica e Thomson Reuters, com encontros mensais organizados pela Campinas Tech (mas em breve, outras grandes empresas entrarão nesta lista).

Uma das iniciativas do grupo é o Campinas Tech Connection, uma nova ação do ecossistema que visa identificar, selecionar e desenvolver startups da região através do desenvolvimento de pilotos e projetos com as empresas do comitê e seus fornecedores, parceiros e clientes.

A iniciativa surge para combinar oportunidades de negócio e um programa de mentoria com os principais executivos das corporações participantes. Tudo isso independente do segmento em que atua a startup – todas são bem-vindas!

Ficou interessado em participar com a sua startup? Confira o edital no formulário e inscreva a sua!


Redação:
Felipe, da Campinas Tech.