Black Founders Fund: conheça o investimento para startups lideradas por pessoas negras

Black Founders Fund: conheça o investimento para startups lideradas por pessoas negras | Foto por Freepik.

A diversidade racial parece finalmente ter subido mais degraus no mundo corporativo. O Google trouxe recentemente o Black Founder Fund, que investirá em startups fundadas e lideradas por empreendedores negras e negros no Brasil, sem demandar participação acionária.

Isso quer dizer que o Google será um aliado no progresso dos negócios, mas não será sócio formal nem terá algum tipo de retorno financeiro sobre eles.

O objetivo, segundo o gigante das buscas, é ampliar a diversidade racial no ecossistema de startups e preencher essa lacuna de mercado, já que cerca de 30% dos empreendedores negros afirmam que tiveram crédito negado sem nenhuma explicação.

A dificuldade em receber crédito para seu negócio é uma realidade enfrentada por essas pessoas. A maioria deles iniciou seus negócios com poupança própria ou de familiares e amigos, segundo o estudo “O Empreendedorismo Negro no Brasil”, realizado pela organização PretaHub, uma das parceiras do Fundo, junto a Plano CDE e JP Morgan.

O Black Founder Fund disponibilizará R$ 5 milhões para investir em 30 startups dentre as que atendam os requisitos de:

  • Possuírem em seu quadro societário fundadores ativos que se autodeclaram negros;
  • Serem constituídas e em operação no Brasil;
  • Utilizarem a tecnologia como base da sua solução;
  • Estarem em busca de investimentos em estágio seed.

O estágio seed diz respeito a startups que já tenham um negócio em operação, ou seja, que já possuam um produto lançado com alguns usuários e possíveis clientes. Dessa forma, a empresa deve estar buscando atingir mais um nível de desenvolvimento. A recomendação é que se a empresa ainda não tiver um produto concreto, busque essa consolidação inicial, com um MVP, por exemplo, antes de se inscrever no programa.

O Black Founder Fund é um programa associado ao Google for Startups. Assim, as empresas investidas pelo fundo poderão ser chamadas para outros programas relacionados a startups pelo Google, receberão créditos em produtos da companhia e contarão com uma rede de mentores para ajudar nos seus desafios.

O Google afirma que os investimentos começaram em setembro deste ano e as rodadas se estenderão pelos próximos 18 meses. Se a startup atender aos requisitos, poderá se inscrever no formulário presente no link. No momento da redação desta matéria, o formulário encontrava-se encerrado, mas com possibilidade de reabertura nos próximos meses.

Conheça algumas startups fundadas por negros no Brasil

Conheça as 3 primeiras empresas que já estão recebendo o investimento do Black Founder Fund:

Afropolitan

A Afropolitan é uma startup brasileira que trabalha com curadoria de produtos de grifes afro-urbanas do país. A empresa busca gerar um impacto social através do impulsionamento do trabalho de diversos afroempreendedores emergentes que conseguem ampliar seu trabalho pela visibilidade do portal Afropolitan.

São diversos produtos com viés cultural selecionados pela empresa, desde moda até literatura, artesanato, acessórios e muito mais. As vendas são feitas pelo e-commerce, em: afropolitan.com.br.

Creators

A startup Creators é um portal que reúne e conecta profissionais autônomos que atuam na indústria criativa a empresas em busca de freelancers, como: Art Directors; Copywriters; Creative Directors; Designers; Front-End Developers; 3D Artists; Backend Developers; UX Designers; Strategists; Filmmakers.

A startup conta em seu quadro de sócios líderes negras e negros.

Traz Favela Delivery

A Traz Favela Delivery atua para a comunidade com o intuito de realizar entregas para áreas periféricas sem distinção de local. A startup surgiu do fato de que, nos últimos anos, as áreas periféricas consumiram mais de R$ 100 milhões nos segmentos de alimentação, moda e outros produtos mas, alguns serviços de delivery não atendiam a esse público. Assim, sob o lema de “Delivery sem preconceito”, ela busca atender as periferias de Salvador (BA).

O app entrará em funcionamento em breve. Por enquanto, o site aceita cadastros de comerciantes e entregadores que desejem fazer parte da rede: www.trazfavela.com.br/.

Conclusão

O mercado só tende a ganhar com ações de inclusão e o tema tem movimentado diversas empresas.

O Magazine Luiza, por exemplo, recentemente, abriu um programa de trainee voltado apenas à contratação de pessoas negras. Apesar da polêmica em torno desta ação e do processo na justiça que ameaça a companhia, é importante refletir que a diversidade nas empresas não passa só por criar vagas inclusivas/exclusivas (apesar disso também ser relevante).

Iniciativas como a do Google são importantes por permitirem que o afroempreendedorismo possa escalar, se manter a longo prazo e fortalecer a presença de negras e negros nas posições de fundadores e CEOs, algo raro historicamente.

Quer receber mais conteúdos sobre negócios e inovação? Assine a newsletter da Vindi!


Redação por:
Daniela Leite, redatora da Vindi.

Setembro Amarelo e a saúde psicológica do empreendedor

Setembro Amarelo e a saúde psicológica do empreendedor | Foto por pressfoto no Freepik.

Desde 2015, o mês de setembro é dedicado à conscientização em prol da saúde mental e à prevenção do suicídio no Brasil. No período, vários setores da sociedade passam a discutir e refletir sobre práticas e comportamentos cotidianos que podem ser prejudiciais ao psicológico das pessoas.

Neste momento, é comum pensarmos na pressão do ambiente corporativo sobre seus colaboradores, na dura realidade do ambiente acadêmico ou na “toxicidade” das redes sociais como lugares comuns para se estar na linha de frente na conscientização.

Entretanto, um perfil profissional por vezes não é devidamente notado e incluído nos debates promovidos durante o setembro amarelo: a pessoa empreendedora. E é sobre ela que vamos discutir aqui.

Um pouco da história do Setembro Amarelo

O Setembro Amarelo é um movimento que se iniciou nos EUA em 1994, quando o jovem de 17 anos, Mike Emme, cometeu suicídio.

Mike era um rapaz muito habilidoso e, pouco antes do fatídico suicídio causado por depressão, havia restaurado um automóvel Mustang 68, pintando-o de amarelo. A cor fez com que ele fosse chamado de “Mustag Mike”.

Em seu velório, uma cesta com cartões decorados com fitas amarelas foi disponibilizada como homenagem a Mike. Dentro dos cartões havia uma mensagem como “Se você precisar, peça ajuda”.

O ato foi o gatilho para um movimento local e um marco na história de prevenção ao suicídio a partir de então. Os cartões passaram a ser de fato um pedido de ajuda para as outras pessoas que o receberam. A partir daí, o laço amarelo se tornou um símbolo do combate ao suicídio.

No Brasil, o movimento recebeu a alcunha de Setembro Amarelo e é uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Centro de Valorização da Vida (CVV). Mundialmente, o dia 10 de setembro é tipo como o dia de prevenção do suicídio.

A saúde mental do empreendedor

É comum atribuirmos à figura do empreendedor e ao universo de startups o glamour, o poder, o dinheiro e a euforia.

Realmente, em vários círculos sociais, empreendedores de sucesso adquirem fama, admiração e reconhecimento. Figuras fora da curva como Mark Zuckerberg ou qualquer outro CEO de unicórnios se tornam referências do que deve ser alcançado por boa parte dos empreendedores. Todavia, alcançar este patamar não será uma realidade para boa parte das startups. E está tudo bem.

Cada trajetória é única e deve ser conciliada com a vida do empreendedor fora dos negócios. Isso porque, paralelamente, há um lado da vida do empreendedor que as pessoas não veem e é muito pouco discutido.

São diversos dramas psicológicos vivenciados e desencadeados por pressões sobre a pessoa empreendedora: sua relação com os clientes, com os colaboradores, questões jurídicas e burocráticas do negócio, questões familiares e até sobre si mesma.

Existem empreendedores que conseguem se adaptar por um tempo e dar a volta por cima. Porém, é comum que muitos sofram de crise de ansiedade e tantos outros desenvolvam até mesmo quadros de depressão.

Fatores que afetam o psicológico do empreendedor

É fundamental para quem é ou conhece um empreendedor, estar atento a alguns aspectos no dia a dia e que influenciam diretamente o psicológico dessa pessoa a curto e médio prazo.

Autoconhecimento

Antes de mais nada, o empreendedor precisa refletir sobre o porquê ele deseja empreender e quais são os fatores que, intrinsecamente, pesam a favor e contra na sua experiência. O saldo dessa conta precisa ser positivo.

Essas motivações não podem ser externas, como ganhar muito dinheiro ou alcançar a fama. Pelo contrário, precisam ser pessoais, como “o que eu gosto de fazer” ou “quem quero ajudar com meu negócio”.

Estabelecendo uma motivação certeira e conhecendo o que funciona ou não para você, as chances de se desmotivar no meio do caminho, e consequentemente de frustrações, serão menores.

Pressão por resultados

No decorrer do empreendimento, pressões internas e externas vão surgir, e é preciso manter o equilíbrio mental e controlar o estresse nesses momentos.

Crescer exponencialmente e atingir metas cada vez maiores são alguns dos resultados que o empreendedor pode ser cobrado. Tanto de investidores, colaboradores, quanto a de si mesmo.

Por isso, desenvolver o autoconhecimento para lidar de forma saudável com essas pressões é essencial. É preciso alinhar as expectativas conforme as capacidades do momento.

A solidão do empreendedor

Na maioria das vezes, empreender é uma trajetória solitária e demanda muita resiliência.

Isso porque não se pode exigir de parceiros e colaboradores que tenham a mesma motivação e intensidade para alcançar um objetivo que não é deles. As pessoas têm propósitos diferentes.

Com isso em mente, o empreendedor precisa canalizar sua energia para fazer com que sua liderança seja, pelo menos, um guia para que os colaboradores trabalhem na direção do seu objetivo.

E estar o tempo todo demonstrando confiança, sem ter com quem compartilhar seus problemas e angústias, pode levar o empreendedor ao esgotamento.

Transformações constantes

O universo empreendedor é conhecido pelas suas mudanças constantes. Assim como hoje pode estar um ambiente extremamente favorável para um negócio, no dia seguinte essa situação poderá se inverter completamente.

Como exemplo, é só pensar nos impactos que a pandemia gerada pelo novo coronavírus trouxe para muitos negócios. Enquanto muitos faliram, outros têm prosperado como nunca antes.

É preciso que o empreendedor, alicerçado em seu autoconhecimento, esteja sempre trabalhando e exercitando sua inteligência emocional. Encarar esses momentos de transformações como oportunidades de renovação para o negócio pode ser uma alternativa.

imprevisibilidade

Simultaneamente às mudanças constantes, ao empreender é preciso estar ciente de que essa jornada é repleta de imprevisibilidade e assumir altos riscos faz parte do processo.

De uma hora para outra, sócios podem mudar as suas premissas, um concorrente pode lançar um produto que gere mais identificação com o seu público ou uma nova lei pode impactar profundamente o modelo de negócio.

Logo, o empreendedor tende a gastar muita energia mental para suportar esses momentos.

Redes de Apoio ao Empreendedor

Por mais que o autoconhecimento, inteligência emocional e resiliência sejam aspectos que precisam partir intrinsecamente do empreendedor, é importante que ele tenha o acompanhamento profissional de um psicólogo durante sua jornada.

Concomitantemente, é importante que o empreendedor compartilhe suas angústias e desafios com quem seja empático às suas dores. Participar de comunidades de empreendedores, como a Campinas Tech, podem ajudar.

A Campinas Tech é uma comunidade baseada em 4 pilares: colaboração, altruísmo, inclusão e resiliência. Reunindo empreendedores, startups, pesquisadores e líderes de grandes empresas, contamos com uma rede diversa e sempre disponível para ouvir e se ajudar.

Portanto, conte conosco sempre!

No mais, não hesite em entrar em contato com o CVV, disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana.


Redação por:
Felipe, da Campinas Tech.


Material de Apoio:
“O lado obscuro do empreendedorismo: ansiedade, depressão e exaustão”, por Mariângela Guerra (clique aqui para ler).

ONGs: 5 estratégias para garantir doações recorrentes

ONGs: 5 estratégias para garantir doações recorrentes | Foto por Freepik.

Um dos desafios das ONGs é gerar um volume de doações recorrente para seus projetos. Mais do que uma campanha específica, focar em apoios mensais pode ser o impulso para o trabalho da ONG deslanchar.

Muitas vezes, é até fácil conseguir um volume de doações para uma causa específica em um crowdfunding, mas, o desafio é que essas mesmas pessoas se lembrem e voltem a doar no mês seguinte.

Ao mesmo tempo, ter mais previsibilidade de receita é muito importante para o planejamento de ações das ONGs. Não dá para depender somente das doações pontuais e imprevisíveis. É preciso contar com doações já confirmadas mensalmente.

E esse não precisa ser um processo de formiguinha: existem estratégias para tornar tudo mais prático e não depender das pessoas se engajarem todo mês. Entenda a seguir!

Receba doações online

Receber doações por plataformas de pagamento online é uma forma de facilitar para o apoiador usar o cartão de crédito, o que torna o processo mais acessível.

Isso porque não é preciso pagar na hora, só quando a fatura do cartão chegar. Dessa forma, você aumenta as chances de receber mais e sempre.

Automatize suas doações recorrentes

Mas, melhor que a opção anterior, é poder contar com a automação dos apoios.

No momento de captar doadores, muitas ONGs não contam com plataformas automatizadas de cobrança, o que pode representar a perda de apoios recorrentes.

Em plataformas de pagamentos como a Vindi, sua ONG pode se beneficiar da cobrança recorrente para clientes que desejam doar mensalmente.

Basta cadastrar os dados do cliente na plataforma, a frequência de recebimento e escolher a forma de pagamento, que pode ser cartão, boleto e link de pagamento.

Todo mês, como em um plano de assinaturas de revistas, o valor será cobrado automaticamente do cliente, sem que ele tenha que se lembrar de pagar, e a ONG receberá em sua conta todas as doações.

Entenda mais sobre a Vindi falando com os consultores comerciais! É só clicar e se cadastrar:

Ofereça recompensas simbólicas para doações recorrentes

Você pode estipular recompensas progressivas para seu público de apoiadores, de acordo com pacotes de doações.

Funciona da seguinte maneira: doando por um período de tempo, como, por exemplo, 3 meses, o apoiador pode receber algum tipo de retribuição, como uma revista informativa sobre o trabalho da ONG.

Se as doações aumentarem para 6 meses, ele pode receber outra coisa, como uma camiseta da ONG ou um item de escritório, como bloquinhos ou canetas. E, assim, sucessivamente.

Cada recompensa estará associada a um tempo de doação, o que incentiva o apoio prolongado e recorrente.

Busque empresas como doadoras recorrentes

As empresas que se engajam com causas sociais costumam oferecer apoios recorrentes para as ONGs que escolhem.

Busque o responsável pelas ações sociais dentro das empresas que tenham bandeiras parecidas com as da sua ONG e apresente o trabalho realizado.

Pode ser uma oportunidade de ganhar visibilidade e conseguir o apoio de peso das empresas.

Participe do Programa de Notas Fiscais

As ONGs das áreas de assistência social, saúde, proteção animal e educação, situadas no estado de São Paulo, podem se cadastrar no Programa de Nota Fiscal Paulista para receber, de qualquer pessoa, créditos das notas fiscais de compras.

O Paraná é outro estado que também tem o programa de Notas Fiscais para ONGs.

A partir da data da compra, os cupons fiscais têm validade de 30 dias para o registro no portal. O bom é que as pessoas sempre têm notinhas de supermercado ou lojas para doar. E é um apoio simples e fácil, que pode aumentar a receita recorrente das ONGs.

Para que a ONG passe a participar do programa, deve se cadastrar em sua respectiva secretarias de atuação:

Elas deverão possuir o Certificado de Regularidade Cadastral de Entidade – CRCE liberado, conforme previsto nas Resoluções Conjuntas SF/SEDS 01/2013 e SF/SS 01/2010.

Essas são algumas formas de apoio recorrente para sua ONG!

Se você se interessou pela Vindi, visite o site e descubra mais sobre o universo de pagamentos recorrentes para a sua ONG!


Redação por:
Daniela Leite, redatora da Vindi.

Formas de pagamento online: quais são as melhores opções?

Formas de pagamento online: quais são as melhores opções? | Foto por Freepik.

Conhecer as formas de pagamento online é essencial para entender o que é mais importante para o seu negócio e por qual meio você consegue converter mais vendas.

Além disso, se você tem um negócio digital, como uma loja, um clube de assinaturas, um SaaS ou qualquer outra empresa na internet, sabe que precisa de segurança e praticidade.

Por isso, neste artigo falaremos sobre as principais formas de pagamento online e como fazer a integração entre elas. Boa leitura!

Quais são as formas de pagamento online?

Em primeiro lugar, oferecer o maior leque possível de formas de pagamento online para seus clientes aumenta suas chances de vender.

Afinal, você está aumentando o poder de compra dele e, portanto, ele sabe que pode escolher a melhor opção naquele momento e confiar no seu serviço.

Além disso, precisamos dar um destaque maior para o fator segurança, porque existe uma forma de pagamento online que transmite essa credibilidade aos seus clientes de forma mais assertiva?

Você sabe qual é? Não? Então, acompanhe os tópicos seguintes!

Boleto

O boleto bancário é a forma de pagamento online mais democrática do Brasil. Isso porque, estima-se que hoje ainda existam mais de 45 milhões de desbancarizados em nosso país, que só podem comprar com dinheiro ou via boletos e carnês.

Dessa forma, se você quer essa fatia do mercado e ela se encaixa no seu Perfil de Cliente Ideal (ICP), precisa oferecer essa opção na sua página de pagamentos.

Além disso, é esse o meio de pagamento que ainda passa mais segurança a boa parte dos consumidores, já que o cartão de crédito, por muito tempo, foi campeão de fraudes para os hackers nos ambientes digitais.

No entanto, mesmo que você ofereça o boleto como forma de pagamento, ele não é suficiente, e precisa estar atrelado ao meio mais utilizado hoje no Brasil: o cartão de crédito.

Cartão de crédito

A praticidade do cartão de crédito fez com que ele fosse, em 2019, o campeão de transações em volume no Brasil.

Os dados são do Banco Central, fornecidos em uma pesquisa para o Distrito, e comprovam que essa forma de pagamento online é indispensável para o seu negócio.

Além disso, atualmente também é muito mais seguro oferecer o pagamento pelo cartão dentro do seu site. No entanto, você precisa de um recurso antifraude para proteger os dados sensíveis dos seus clientes.

Se você quer se aprofundar mais neste tema, baixe agora o e-book gratuito sobre antifraude clicando aqui!

Transferência bancária

A transferência bancária é pouco usada nos ambientes digitais, mas milhões de DOC e TED são feitos entre contas todos os dias.

Por isso, mesmo que você não ofereça a opção de transferência bancária na sua empresa, é fundamental que você fique por dentro do PIX do Banco Central, que começará a funcionar nos próximos meses.

Com ele, será possível fazer transferências em questão de segundos, com taxas muito menores e toda a segurança que uma transferência precisa.

Quer saber mais sobre o PIX? Então, clique aqui e descubra agora mesmo!

Débito em conta

O débito em conta, muito utilizado por empresas de telefonia e televisão à cabo, também é uma opção para algumas empresas, mesmo que seja utilizado em menor escala.

Além disso, empresas recorrentes usam o débito recorrente como opção de pagamento para clientes que preferem essa alternativa ao cartão de crédito.

Como usar as formas de pagamento online na empresa

Se você quer utilizar mais de uma forma de pagamento online no seu negócio, a sua principal preocupação precisa ser a integração entre elas e em como automatizar esse processo de gestão.

Por isso, existem duas soluções no mercado que precisam ser consideradas: uma plataforma de gestão de recebíveis e um link de pagamento que te dê mais flexibilidade para vender em todas as plataformas.

Plataforma de gestão de pagamentos online

Ter um parceiro especialista na saúde financeira do seu negócio e que ofereça uma solução completa para que você consiga receber através de várias formas de pagamento online é a melhor decisão que você pode tomar.

Além disso, você também precisa pensar em como funcionará a sua régua de cobrança, já que a inadimplência existe em qualquer empresa.

O ideal é que esse processo de cobrança também seja automatizado, principalmente pensando em eliminar fricções com seus clientes.

Dentro da plataforma da Vindi, por exemplo, você consegue cadastrar seus clientes, fazer vendas, solicitar estornos, gerenciar assinaturas e mensalidades, exportar relatórios em tempo real e cobrar por SMS e e-mail.

Dessa forma, você tem tudo o que precisa para otimizar sua gestão financeira em um só lugar.

Link de pagamento online

O link de pagamento funciona como uma maquininha de cartão, mas totalmente online. Com ele, é possível vender nas redes sociais, enviar por e-mail e oferecer várias formas de pagamento online, como boleto e cartão.

Se você gostou deste artigo, descubra muito mais sobre o universo de pagamentos e gestão com a Vindi!


Redação por:
Andressa Rosa. Colunista, roteirista, podcaster e redatora da Vindi. É especialista sobre o Mercado de Pagamentos, Assinatura e Economia da Recorrência, sendo uma das principais referências no setor.

Como receber sem sair de casa com um link de pagamento

Como receber sem sair de casa com um link de pagamento | Foto por Freepik.

O link de pagamento pode ser a solução que você procura para vender sem sair de casa. O cenário atual é uma ótima oportunidade para aproveitar as redes sociais para atingir seu público e vender por meio delas.

Segundo a 41ª edição do Webshoppers, o mais amplo relatório sobre e-commerce do país elaborado semestralmente pela Ebit|Nielsen – em parceria com a Elo, o consumo online cresceu exponencialmente na pandemia de Covid-19, abrindo novas oportunidades de negócios. O setor ultrapassou a marca de R$ 60 bilhões em faturamento e atingiu 148 milhões de pedidos.

Se você vende pela internet, ou tem uma loja física e está impossibilitado de abri-lá por conta da pandemia, os meios de cobrança online podem ajudar seu negócio. O link de pagamento é como uma maquininha de cartão no meio digital, porém com mais vantagens!

Entenda a seguir como funciona e quais os benefícios desse meio de pagamento inovador.

O que é o link de pagamento

É uma ferramenta que permite ao empreendedor realizar cobranças para seus clientes através de uma URL (link) personalizada para seu produto. O link é gerado em uma plataforma de cobrança, como a Vindi, pode ser customizado e enviado de forma online, por diversos canais, como email, Whatsapp, Instagram ou qualquer outro meio.

O link é válido tanto para vendas pontuais quanto parceladas ou recorrentes (semanais, mensais, anuais). Ou seja, é aplicável para diversos modelos de negócios, desde os pequenos até os grandes empreendimentos.

Para gerar links de pagamento, você não precisa ter um e-commerce ou um aplicativo próprio. Porém é necessário ter um CNPJ para poder criar conta na maioria das plataformas de cobrança que geram links de pagamento.

Depois de enviado, basta o cliente clicar no link e ele será direcionado para um página de pagamentos para concluir a compra por cartão de crédito ou boleto.

Como gerar um link de pagamento

Na plataforma de cobrança que você contratou, você acessa sua conta e cria seu link de produto ou serviço.

  • Você estipula qual é o produto ou serviço a ser vendido e qual o preço;
  • A URL pode ser personalizada conforme o nome do seu negócio ou produto, você digita o nome que desejar;
  • O link gerado deve ser enviado para o cliente que vai comprar seu produto ou serviço. Você escolhe o meio de comunicação com ele, seja nas redes sociais, e-mail ou apps de mensagem;
  • O cliente recebe o link e realiza o pagamento como preferir;
  • O estabelecimento é notificado e recebe seus proventos de acordo com o tempo estipulado por cada plataforma.

Vantagens

Como vimos, poder contar com um link de pagamento para otimizar as vendas é um grande diferencial para empreendedores. É uma forma extremamente prática e segura de receber. Na Vindi, você pode contar também com as vantagens:

  • Receber de todas as bandeiras de cartão pelo link de pagamento;
  • Receber à vista por boleto;
  • Não depender mais de maquininha de cartão;
  • Não precisar ter um e-commerce para gerar seus links de pagamento;
  • Usar as redes sociais para vender mais;
  • Poder integrar a plataforma da Vindi ao seu sistema de estoque, ERP, CRM e outros, via API.

Quer conhecer mais sobre essa solução? Assine a newsletter da Vindi e fique por dentro das inovações no mercado de pagamentos.


Redação por:
Daniela Leite, redatora da Vindi.

Como fidelizar clientes com a ajuda da tecnologia

Como fidelizar clientes com a ajuda da tecnologia | Foto por Freepik.

Mais do que retenção, fidelizar clientes gera compradores recorrentes e também promotores do seu negócio. E para isso, a tecnologia pode auxiliar em processos de fidelização que seriam muito mais complexos sem ela.

Todo mundo sabe que conquistar um cliente é mais caro do que reter os que já existem. Quando levamos em conta o Custo de Aquisição de Clientes, o famoso CAC, podemos perceber, na ponta do lápis, como fica essa conta. São ações de marketing, mídias pagas, atendimento e outros recursos necessárias para transformar seu lead em um cliente. E, se você possui um CAC maior do que o seu LTV, você terá prejuízo.

Por isso, é altamente estratégico para os negócios, sobretudo digitais, focar esforços na fidelização da base que já possui. Há nichos de negócios super concorridos, devido à facilidade de abrir e promover um empreendimento digital. Então, o que te diferencia de seus concorrentes e encanta o cliente na sua jornada de compra?

Acompanhe a seguir algumas estratégias essenciais para você começar a fidelizar seu público.

5 dicas infalíveis para fidelizar seus clientes

Se o seu objetivo é fidelizar clientes, os pilares para isso acontecer passam pela experiência do cliente, pelo atendimento e pelas facilidades oferecidas, procurando tornar o processo único e agradável para seu público.

Atente-se à navegabilidade do seu site

Se você vende online, imagine que o seu site é a sua vitrine. Nada melhor para cativar o seu cliente do que a atratividade visual da sua plataforma. Ela deve ser fácil de navegar, intuitiva e bem organizada.

Isso não diz respeito somente à aparência do site, que também é importante, mas há outros critérios que proporcionam uma boa experiência de compra ao consumidor, como:

  • Rapidez no carregamento das páginas;
  • Responsividade para mobile, ou seja, páginas que se adaptam a telas menores dos smartphones e dispositivos móveis;
  • Facilidade de visualizar e encontrar os produtos;
  • Clareza de informações como preço e características do produto (cores, tamanhos);
  • Sugestões de cross sell, ou seja, indicação de produtos complementares ao que o cliente está olhando (feitas por Inteligência Artificial) e que podem interessá-lo no momento da compra ou futuramente.

Também é importante deixar bem claro as informações sobre a loja, como contato, CNPJ e certificados de segurança do site. Isso transmite credibilidade e cativa a confiança do consumidor para comprar e retornar outras vezes.

E não é porque é virtual que sua loja não deve ter um atendimento, como no presencial. As principais plataformas de e-commerce oferecem integrações com chats para que seja possível o cliente mandar perguntas e ser respondido em tempo real, o que aumenta as chances de sanar as dúvidas, efetuar a venda e fidelizar.

Ofereça facilidade de pagamento

De nada adianta uma experiência incrível na sua loja se, no momento de fechar a compra (checkout), seu cliente não puder contar com opções diversificadas de meios de pagamento e parcelamento.

Esse pode ser um fator decisivo para ele comprar ou desistir do carrinho de compras. Por isso, invista em soluções de pagamento digital que proporcionem, no mínimo, o recebimento por cartão de crédito, débito e boleto.

Para proporcionar uma experiência de pagamento ainda mais segura, dê preferência ao checkout transparente, ou seja, uma página de pagamentos dentro do seu e-commerce, sem a necessidade de redirecionar o cliente para um site externo, como o PayPal.

Hoje, também há outras soluções ainda mais facilitadoras, como o link de pagamento, que você pode enviar pelas redes sociais para o cliente e basta ele clicar e preencher os dados de cartão para realizar o pagamento.

Encante-o em todos os aspectos!

Faça o follow up

Após a compra, o processo não termina. Não se esqueça de fazer um follow up com seus clientes. Ele nada mais é do que um acompanhamento da satisfação com a compra, na qual o cliente pode responder pesquisas como o NPS (Net Promoter Score) ou, simplesmente, comentar sobre a experiência que teve, dar feedbacks e sugestões. Tudo isso através de e-mail ou mensagem.

Ter esse contato é super precioso para melhorar seus processos e produtos, entender o que funciona ou não com seu público e potencializar suas vendas!

Além disso, é importante estar sempre disponível para oferecer uma política de trocas e cancelamentos, caso necessário.

Seu cliente irá apreciar a responsabilidade e atenção da loja, e terá mais chances de se lembrar de você em uma compra futura.

Lembre-o da sua loja

Com a comunicação digital, a facilidade de contato com o cliente é muito grande, e é útil lembrá-lo de tempos em tempos que seu estabelecimento está oferecendo novidades, descontos e vantagens.

Crie sua lista de contatos e planeje esses conteúdos para enviar periodicamente, por e-mail ou Whatsapp, e aumente as chances de sua oferta reencontrar o cliente no momento certo.

Ofereça a recorrência

Se você trabalha com produtos ou serviços que podem ser consumidos com certa periodicidade – como farmácias, petshops, cosméticos, comida congelada, seguros -, você tem uma oportunidade incrível de oferecer ao seu cliente produtos e serviços por assinatura, aproveitando todos os benefícios da economia da recorrência.

Para isso, basta promover um modelo vantajoso, no qual:

  • O cliente pode contar com a entrega do produto em uma frequência combinada, sem ter que lembrar de fazer a compra todo mês;
  • Você recebe todo mês o valor da assinatura e garante a previsibilidade da sua receita mensal, por uma plataforma que automatiza a cobrança periódica e reduz a inadimplência.

A longo prazo, é possível oferecer preços especiais ou premiações para quem assina seu produto ou serviço (ainda mais chances de fidelizar clientes!).

Se você está procurando uma solução para os meios de pagamentos da sua loja, ou tem interesse no modelo de assinaturas, conte com a Vindi para ajudar o seu negócio a vender mais e sempre.


Redação por:
Daniela Leite, redatora da Vindi.

Recorrência: o modelo de negócio ideal para clubes de assinatura

Recorrência: o modelo de negócio ideal para clubes de assinatura | Foto por pressfoto no Freepik.

Receber produtos exclusivos em casa, com certa periodicidade, é algo cômodo e que traz experiências positivas para os clientes. Em resumo, é assim que funciona os clubes de assinatura. Ou seja, há uma recorrência na entrega de produtos e pagamentos.

Este modelo de negócio vem crescendo muito nos últimos anos no Brasil e no mundo. Por isso, se você tem um clube de assinatura ou tem a intenção de começar um do zero, veja como a recorrência é ideal para manter a saúde financeira da sua marca e trazer maior organização.

Acompanhe a leitura e entenda com detalhes o que é recorrência e como este modelo de negócio é um grande aliado dos clubes de assinatura.

O que é recorrência

Primeiramente, vamos compreender o que é recorrência!

O modelo recorrente é o pagamento automático para produtos e serviços vendidos por mensalidades, planos e assinaturas.

Com ele, é possível realizar cobranças automatizadas sem ocupar o limite do cartão de crédito do cliente, o que difere de uma compra parcelada.

Para ficar mais simples de entender, vamos aplicar a recorrência em um exemplo de clube de assinatura.

Um cliente assina um clube de assinatura de canecas personalizadas. Com isso, ele paga, por mês, uma taxa de R$50,00 reais. Assim, mensalmente, o cliente recebe em casa uma caneca diferente conforme o seu gosto.

O pagamento é feito, de forma automática, no cartão de crédito, todo mês.

A vantagem é que o cliente não esquece de pagar. Pois, o valor cai diretamente na fatura na data acordada. E, o dono do clube de assinatura sabe quando vai receber e tem maior previsibilidade sobre o fluxo de caixa.

Se quiser saber mais sobre recorrência, entenda como vender neste modelo de negócio, clicando aqui.

O modelo recorrente para clubes de assinatura

Se engana quem acha que a parceria da recorrência com os clubes de assinatura é algo novo. Lembra dos jornais e revistas que a nossa família assinava anos atrás?

Por exemplo, pagava-se uma taxa mensal, e eles recebiam os conteúdos impressos em casa, toda semana.

Viu só? Esta é a essência de um clube de assinatura. O que acontece é que, com o avanço da tecnologia, este estilo de compra evoluiu.

Hoje, existem clubes de assinatura com diversos produtos, experiências diferentes e periodicidades distintas.

O que é um clube de assinatura?

Mas, agora, vamos entender de fato o que é um clube de assinatura!

O clube de assinatura é um modelo de negócio que atua de forma recorrente. Ou seja, existe uma periodicidade determinada entre o clube e o cliente para pagamentos e recebimentos de produtos.

De forma geral, paga-se um valor fixo por mês. Com isso, o cliente recebe, em casa, produtos exclusivos uma vez na semana, no mês, no trimestre e por aí vai…

Ou seja, isso pode variar conforme o clube e a forma de contratação.

Mas, o mais importante é que você compreenda a essência da recorrência. Ou seja, a periodicidade que acontece entre pagar e receber.

Cosméticos, canecas, camisetas personalizadas, vinhos e cervejas são exemplos de produtos que possuem clubes de assinatura.

+ Leia também: Como montar um clube de assinatura: passo a passo completo

Principais características de um clube de assinatura

Existem diversos clubes de assinatura no Brasil e no mundo. Porém, mesmo com tantas variedades, alguns pontos são cruciais para um negócio de sucesso.

Veja as principais características de um clube de assinatura:

1. Produtos exclusivos para o cliente

Existem clubes de assinatura que oferecem produtos que os clientes já sabem o que vão receber. Outros, a partir de um perfil pré-estabelecido, recebem produtos surpresas.

Independentemente da estratégia, é preciso que estes produtos sejam exclusivos e diferenciados daqueles encontrados em lojas tradicionais. Além disso, ter uma boa curadoria dos produtos escolhidos pode ser um grande diferencial competitivo.

2. Comodidade de receber em casa

Quem não gosta da comodidade de receber produtos exclusivos em casa? Isso, faz do clube de assinatura ser um modelo de negócio tão atrativo para os clientes.

Nada como receber uma embalagem linda com um produto tão esperado, não é mesmo?

Mas, além da comodidade de receber em casa, o cliente ganha tempo! Pois, ele não precisa ficar escolhendo quais produtos ele quer comprar em lojas físicas e na internet. Já existe uma confiança na marca e na curadoria de produtos.

Na pandemia do Coronavírus, por exemplo, os clubes assinaturas se mantiveram resilientes e cresceram muito. No mês de Julho, por exemplo, o segmento cresceu em +13%.

3. Recorrência

Como já falamos neste post, o modelo recorrente tem tudo a ver com os clubes de assinatura por conta da sua frequência, por ser um consumo contínuo.

Porém, podemos citar alguns outros pontos sobre o porquê a recorrência é o modelo de negócio ideal para clubes de assinatura.

  • O seu cliente não esquece de pagar por ser um pagamento automático;
  • Não compromete o limite do cartão de crédito do cliente;
  • Maior previsibilidade do fluxo de caixa por ter uma data certa para receber;
  • Melhor gestão de estoque por saber a quantidade certa de produtos e frequência;
  • Fidelização de clientes por ser uma relação de longo prazo;
  • Redução da inadimplência por ser um pagamento automático.

Jeito simples e eficiente de realizar cobranças que acontecem de forma recorrente.

+ Leia também: 4 ferramentas para criar um clube de assinatura

Conheça a melhor plataforma de recorrência do mercado

Agora, que você já compreendeu como a recorrência é o modelo ideal para clubes de assinatura, você precisa pensar em como automatizar o processo de cobranças e pagamentos.

Por isso, conheça a plataforma de realizar cobranças e gerenciar pagamentos da Vindi. A plataforma é especialista no modelo recorrente. Com a plataforma, é possível:

  • Realizar cobranças automáticas;
  • Gerenciar todos os recebíveis;
  • Criar régua de cobrança personalizada;
  • Analisar transações em tempo real;
  • Relatórios completos;
  • E muito mais!

Além disso, a Vindi possui uma API de fácil integração, o gateway mais robusto do país e a certificação PCI Compliance, que garante a segurança da sua empresa e clientes em todas as transações.

Bônus


Redação por:
Natalie Angotti, copywriter e redatora da Vindi.

Inbound Marketing: por que a sua empresa precisa investir nisso?

Inbound Marketing: por que a sua empresa precisa investir nisso? | Foto por jcomp no Freepik.

O Inbound Marketing, também conhecido por “marketing de atração”, é a forma que as empresas têm para fazer com que o público chegue até o seu negócio. Agora, ser visto através das tradicionais mídia é secundário. Pois, a intenção é que a sua marca seja encontrada.

No post de hoje, aprenda o que é Inbound Marketing, a diferença para Outbound Marketing, as vantagens para a sua empresa e muito mais. Vamos lá?

O que é Inbound Marketing

O Inbound Marketing é o conjunto de técnicas que envolve a criação de conteúdos, compartilhamento de materiais e relacionamento com o público-alvo que foi impactado.

Por isso, quando falamos de Inbound Marketing, você precisa ter, de forma muito sólida, uma equipe de conteúdo que produza materiais de qualidade para atrair as pessoas certas para o seu negócio. Aqui, os clientes chegam até a sua marca!

Os nichos são menores e com desejos mais específicos.

Textos para blog, postagens em redes sociais, e-books e vídeos são exemplos de conteúdos que contribuem para a técnica do Inbound Marketing.

Leia também: Como vender mais no Instagram: 7 dicas imperdíveis

Inbound Marketing X Outbound Marketing

O Outbound Marketing é uma forma mais antiga de fazer marketing, em comparação ao Inbound Marketing.

Anúncios em rádios, televisões, materiais impressos, ligações de telemarketing e outdoors são exemplos de ações de Outbound Marketing.

Basicamente, a comunicação feita pelo Outbound Marketing é de mão única. Ou seja, é algo mais geral, onde não há um diálogo com o público. Por conta disso, as pessoas se tornam mais passivas para esta estratégias.

Conheça algumas características do Outbound Marketing:

1. Público amplo

Não é possível delimitar quem é alvo das suas divulgações. Quando você coloca um outdoor em um certo local, diversas pessoas passam por lá. Por isso, não é uma tarefa tão fácil escolher o público, de forma específica, que a sua empresa deseja atingir.

2. Unilateral

A marca oferece serviços e produtos sem retorno de diálogo.Por exemplo, uma propaganda durante uma novela em uma emissora no horário nobre, atinge diversas pessoas, de idades, hábitos e classes sociais diferentes. Elas recebem a informação, porém não interagem.

3. Dificuldade em metrificar

Neste tipo de ação, é muito complicado analisar métricas para acompanhar o alcance dessas mídias. Quando você faz uma divulgação no rádio, por exemplo, mensurar o número de ouvintes impactados, é complicado. Diferente de uma mídia online, que é possível analisar os resultados de uma campanha em certas plataformas.

4. O preço é mais caro

Por se tratar de uma estratégia abrangente, gasta-se mais dinheiro para impactar grande parte da população.

Características do Inbound Marketing

Agora, você já entendeu as características do Outbound Marketing! Que, dependendo da sua estratégia, funciona, sim, e é muito efetivo. Mas, nos dias de hoje, é possível atuar de forma mais “nichada” e assertiva em relação ao seu público, como no caso do Inbound Marketing.

Analise as características:

1. Público específico

Através de técnicas de Marketing Digital, como SEO e palavras-chave, o seu público consegue encontrar seus materiais através de buscas. A grande vantagem é que você atrai o público que de fato está interessado em seu conteúdo. E é aí que você encontra uma abertura para apresentar os serviços ou produtos do seu negócio.

2. Troca de diálogo

Com uma comunicação de mão dupla, o público pode ter acesso ao material criado e divulgado pela sua empresa e promover discussões. Por exemplo, quando um público vai até a sua página do Facebook e envia uma mensagem por inbox.

3. Relacionamento

Com o Inbound Marketing, as marcas ficam mais próximas. O vínculo se estreita! É possível que consumidores propaguem o nome da sua empresa, defendendo a marca e apontando falhas quando necessário.

4. Ações ao longo prazo

Os materiais criados podem repercutir ao longo prazo. Por exemplo, um texto no blog, é possível acessar por anos e anos. É claro, com as devidas atualizações. Mas, dura bastante tempo. Outro exemplo são os materiais de e-book, entrando nesta mesma condição de atualização.

Vantagens do Inbound Marketing

Diferentemente do Outbound Marketing, o Inbound Marketing permite uma comunicação de mão dupla. Ou seja, em sua característica, existe diálogo com o público em questão.

As técnicas de Inbound Marketing geram relacionamentos mais estreitos entre empresas e possíveis clientes e, consequentemente, confiança.

Veja as vantagens Inbound Marketing e o porquê a sua empresa precisa investir nisso:

1. Aproximação com o cliente

Com a internet e um Marketing de Conteúdo bem feito, as pessoas podem chegar até a sua marca. Criar e-books, vídeos e textos para blogs, ricos em informações, facilitam a jornada do cliente. Assim, é possível encantar o seu público cada vez mais!

2. Convencimento

No Inbound Marketing, você tem maior poder de persuasão. Sendo este, um elemento muito importante para fechar vendas. Com um fluxo bem definido, você consegue conversar com o seu público, munindo de conteúdos relevantes. Depois, é possível mostrar como a sua marca pode contribuir para a resolução do problema dele, até a tomada de decisão.

Quando a gente fala de jornada de compra, temos as 3 etapas do funil.

  • Topo  (Aprendizado e descoberta);
  • Meio  (Consideração e intenção);
  • Fundo  (Avaliação e decisão).

Na imagem abaixo, você pode entender melhor como funciona o funil do inbound:

Funil de Vendas
Funil de Vendas | Imagem por rdstation.com

3. O preço é mais barato

Se você deseja saber sobre o custo de ter essa técnica no seu negócio, fique atento agora!

O Inbound Marketing é mais barato que as soluções tradicionais de divulgação. E, é um investimento muito eficiente! Com menos dinheiro, você pode aplicar no seu público-alvo específico e ter retornos incríveis.

+ Se você tem um negócio SaaS, leia também: Precificação SaaS: modelos de vendas, principais práticas e exemplos.

4. Facilidade para metrificar

Contra dados, não há argumentos! Não é mesmo? E, para um marketing de sucesso, é preciso analisar resultados para tomadas de decisões mais assertivas. No Inbound Marketing, é possível metrificar dados em tempo real. Assim, você consegue ver com precisão se o que a sua empresa faz está dando certo ou não.

Peças fundamentais para montar estratégias

Para montar a estratégia de Inbound Marketing da sua empresa, você precisar refletir muito bem sobre 4 pontos. A partir deles, você consegue ser mais assertivo e conquistar maiores resultados. Veja:

  • Persona;
  • Jornada;
  • Conteúdo;
  • Metodologia.

Marketing, Vendas e Gestão Financeira

Não basta adquirir um monte de clientes e não ter técnicas para fidelizá-los, né? Então, para facilitar o dia a dia da sua empresa, pense em ferramentas para automatizar processos.

A plataforma da Vindi, por exemplo, é completa para você realizar cobranças e fazer toda a gestão de pagamentos do seu negócio.

Com ela, é possível personalizar réguas cobranças, analisar relatórios em tempo real, fazer a gestão de clientes do seu negócio recorrente e muito mais.

Conheça a melhor plataforma de pagamento do mercado! 

Bônus


Redação por:
Natalie Angotti, copywriter e redatora da Vindi.

SaaS: conheça as 5 principais métricas

SaaS: conheça as 5 principais métricas | Foto por Adeolu Eletu no Unsplash.

O modelo de negócio SaaS está crescendo cada vez mais no Brasil e no mundo! O Software as a Service, em resumo, é um modo de disponibilizar soluções através da internet, o que facilita o dia a dia de empresas e usuários. Pois, não é preciso instalar e atualizar hardwares ou softwares.

Salesforce, Slack e Microsoft são exemplos de empresas que utilizam este modelo de negócio.

E, sabemos que, negócios de qualquer tipo de segmento e tamanho, precisam acompanhar os resultados e métricas para ter sucesso, de médio a longo prazo, e minimizar os riscos.

Por isso, conheça as 5 principais métricas para acompanhar e potencializar negócios SaaS.

Mas, antes, entenda com detalhes o que é SaaS e as vantagens do Software as a Service.

O que é SaaS?

Também chamados de softwares baseados na web, softwares sob demanda ou softwares hospedados, são empresas que facilitam o cotidiano de muitos negócios.

Pois, não é preciso mais comprar, pagar a licença de serviços, atualizar e nem ter um computador com configurações específicas para acessar, como antigamente.

Eles são responsáveis por oferecer serviços online, manter a estrutura do sistema e segurança de dados.

+ Leia também: 12 ferramentas obrigatórias de marketing para SaaS

Quais são as vantagens?

O negócio SaaS possui diversas vantagens. Separei algumas para você! Confira:

1. Custos iniciais reduzidos

No modelo SaaS, você utiliza todas as funções tradicionais de um software. Porém, sem as taxas de manutenção e de de licença, o que é bem comum nos softwares tradicionais.

2. Integração simplificada

Os softwares já são criados para possíveis integrações. Por isso, de um jeito simples e rápido, você consegue integrar este tipo de serviço com outros e ganhar agilidade em todo o processo.

3. Acesso em qualquer lugar

Por ser um serviço online, é preciso apenas estar conectado à internet para utilizar. E, com o avanço da cobertura de rede, gera mais oportunidades de uso. Ou seja, você leva a sua empresa para diferentes lugares fora do ambiente físico.

4. Atualizações automáticas

Como o programa está hospedado na internet, todas as atualizações são realizadas de forma automática. Não é preciso mais gastar tempo e dinheiro com isso.

5. Opções customizáveis

No modelo SaaS, tudo é muito flexível! É possível criar planos e pacotes personalizados conforme a necessidade do cliente.

5 principais métricas SaaS

Agora, você já sabe o que é SaaS e quais as vantagens deste modelo de negócio. Então, vamos entender como funciona e como calcula as 5 principais métricas de Software as a Service para você acompanhar os resultados do seu negócio.

1.CAC (Custo de Aquisição do Cliente)

A métrica CAC está relacionada ao custo para adquirir novos clientes. O que auxilia para projeções e gastos das estratégias da sua empresa.

A análise é feita através da soma dos investimentos em vendas e marketing com as despesas. O resultado, você divide pelo total de clientes novos.

Ou seja, CAC = Investimentos em Marketing + Investimentos em Vendas / total de clientes conquistados no período em questão.

2.MRR (Receita Mensal Recorrente)

Montly Recurring Revenue é a métrica responsável por indicar a receita mensal recorrente do seu negócio. Ela corresponde ao valor acrescentado ou perdido de acordo com a receita de cada mês.

Subtraia o número total das contas ativas. Multiplique esse resultado pelo valor que é pago por mês.

Ou seja, MRR = clientes ativos – cancelamentos x mensalidade.

3.Ticket Médio

O ticket médio é a média que cada cliente gasta em compras com a sua empresa. Por exemplo, quando um cliente realiza um upgrade no plano, o valor do ticket médio aumenta.

Para calcular, você precisa estabelecer qual é o período da sua análise. Divida o total de venda pelo número de clientes.

Ou seja, Ticket Médio = valor em vendas + número de clientes.

4.LVR (Lead Velocity Rate)

Essa métrica é utilizada para medir a velocidade de geração de leads na sua base. Assim, é possível elaborar estratégias mais assertivas e analisar o crescimento da sua empresa.

Para calcular, você precisa descobrir o valor da diferença entre os leads gerados no mês passado com o mês atual. Em seguida, divida esse número no mês presente e multiplique por 100.

Ou seja, LVR = leads gerados no mês passado – leads gerados no mês atual / leads gerados no mês presente X 100.

5.Churn Rate

A métrica churn ajuda e mensurar os clientes que cancelaram contratos. Ou seja, por alguma razão, não fazem mais parte da sua base.

Esse número é essencial para saber como está a saúde da sua empresa e revisão de processos para analisar onde está o gargalo.

O cálculo é simples! Divida o número mensal de cancelamentos pelo número de clientes ativos.

Ou seja, Churn Rate = número mensal de cancelados / número de clientes ativos.

Mercado brasileiro de SaaS

O sucesso pelo modelo de negócio SaaS tem motivos! Nos dias de hoje, empresas e pessoas buscam por maior praticidade nas atividades do dia a dia. E, é isso que o Software as a Service oferece para seus clientes.

Se você quer inovar o seu SaaS através de informações seguras e completas, aproveite o material exclusivo da Vindi, plataforma especialista em recorrência, sobre um overview do mercado brasileiro para SaaS.

Bônus

Quem se interessou por este tema, também leu:


Redação por:
Natalie Angotti, copywriter e redatora da Vindi.

Financiamento do Crescimento

Financiamento do Crescimento | Foto por Freepik.

Crescer é uma meta constante de qualquer negócio, não importa a sua área de atuação, nem o porte da empresa. Todas almejam o próximo degrau.

Para startups, o crescimento tem um peso ainda maior, uma vez que define a sobrevivência e sucesso do negócio a curto e médio prazo.

Os caminhos para se alçar o crescimento são diversos, o que muitas vezes faz o empreendedor ter dificuldades de traçar uma boa estratégia de tração para o seu negócio.

Entre inúmeras possibilidades, “financiar o crescimento” se destaca pela sua previsibilidade, abrindo margem para que o empreendedor possa flexibilizar suas decisões ao longo da jornada de crescimento. E é sobre esse modelo que iremos falar agora.

O que significa “Financiamento do Crescimento”?

Todo empreendedor de primeira viagem já deve ter refletido, em algum momento, se vale o risco de recorrer a empréstimos e financiamentos. Afinal, não é incomum que empresários evitem a contratação de crédito para financiar o início de suas atividades comerciais ou o crescimento do empreendimento.

O financiamento é uma espécie de compra a longo prazo, com o acréscimo de uma taxa de juros ao valor inicial, que varia de acordo com o tempo de parcelamento.

Por que deveria pensar nisso?

No atual cenário econômico, se temos por um lado ideias e soluções com alta escalabilidade, por outro temos uma gama de investidores e instituições procurando negócios para injetar o capital. Nesse momento utilizar o método de financiamento para gerar o crescimento potencializado parece uma boa ideia, não é mesmo?

Um dos meios para isso é utilizar como garantia do financiamento a Receita Previsível, ou Receita Futura, para conseguir o aporte necessário para impulsionar seu negócio.

Mas afinal, o que é Receita Previsível?

O termo é mais simples do que parece. Surgiu pela primeira vez em um livro de mesmo nome, escrito por Aaron Ross, e desde então se espalhou pelo universo empreendedor quando o debate é sobre financiamento.

Em uma definição simplificada, receita previsível é um dado conhecido pelo empreendedor de quanto o seu negócio irá faturar em um determinado período de tempo. Para estimar esse valor, é comum levar até 1 ano para se obter esta previsibilidade da receita.

O uso da receita previsível é indicado justamente para que o empreendedor e o fornecedor de crédito não sejam pegos de surpresa em momento algum. Isso porque, a partir do que já está previsto, o empreendedor consegue desenvolver uma série de práticas para conseguir potencializar a receita do seu negócio.

Dessa forma, é possível obter além de uma receita-base previsível, leads e clientes previsíveis, que só somam ao crescimento.

Aprenda aplicar a receita previsível com cases reais

Na próxima quinta-feira, 09 de julho, o o Hugo Mathecowitsch, cofundador e CEO da a55 – startup pioneira de financiamento baseado em receita previsível – irá nos trazer um panorama de soluções para financiar o crescimento de startups no ecossistema campineiro. Participe desta live!


Redação por:
Caio, da Campinas Tech.