Inbound Marketing: por que a sua empresa precisa investir nisso?

Inbound Marketing: por que a sua empresa precisa investir nisso? | Foto por jcomp no Freepik.

O Inbound Marketing, também conhecido por “marketing de atração”, é a forma que as empresas têm para fazer com que o público chegue até o seu negócio. Agora, ser visto através das tradicionais mídia é secundário. Pois, a intenção é que a sua marca seja encontrada.

No post de hoje, aprenda o que é Inbound Marketing, a diferença para Outbound Marketing, as vantagens para a sua empresa e muito mais. Vamos lá?

O que é Inbound Marketing

O Inbound Marketing é o conjunto de técnicas que envolve a criação de conteúdos, compartilhamento de materiais e relacionamento com o público-alvo que foi impactado.

Por isso, quando falamos de Inbound Marketing, você precisa ter, de forma muito sólida, uma equipe de conteúdo que produza materiais de qualidade para atrair as pessoas certas para o seu negócio. Aqui, os clientes chegam até a sua marca!

Os nichos são menores e com desejos mais específicos.

Textos para blog, postagens em redes sociais, e-books e vídeos são exemplos de conteúdos que contribuem para a técnica do Inbound Marketing.

Leia também: Como vender mais no Instagram: 7 dicas imperdíveis

Inbound Marketing X Outbound Marketing

O Outbound Marketing é uma forma mais antiga de fazer marketing, em comparação ao Inbound Marketing.

Anúncios em rádios, televisões, materiais impressos, ligações de telemarketing e outdoors são exemplos de ações de Outbound Marketing.

Basicamente, a comunicação feita pelo Outbound Marketing é de mão única. Ou seja, é algo mais geral, onde não há um diálogo com o público. Por conta disso, as pessoas se tornam mais passivas para esta estratégias.

Conheça algumas características do Outbound Marketing:

1. Público amplo

Não é possível delimitar quem é alvo das suas divulgações. Quando você coloca um outdoor em um certo local, diversas pessoas passam por lá. Por isso, não é uma tarefa tão fácil escolher o público, de forma específica, que a sua empresa deseja atingir.

2. Unilateral

A marca oferece serviços e produtos sem retorno de diálogo.Por exemplo, uma propaganda durante uma novela em uma emissora no horário nobre, atinge diversas pessoas, de idades, hábitos e classes sociais diferentes. Elas recebem a informação, porém não interagem.

3. Dificuldade em metrificar

Neste tipo de ação, é muito complicado analisar métricas para acompanhar o alcance dessas mídias. Quando você faz uma divulgação no rádio, por exemplo, mensurar o número de ouvintes impactados, é complicado. Diferente de uma mídia online, que é possível analisar os resultados de uma campanha em certas plataformas.

4. O preço é mais caro

Por se tratar de uma estratégia abrangente, gasta-se mais dinheiro para impactar grande parte da população.

Características do Inbound Marketing

Agora, você já entendeu as características do Outbound Marketing! Que, dependendo da sua estratégia, funciona, sim, e é muito efetivo. Mas, nos dias de hoje, é possível atuar de forma mais “nichada” e assertiva em relação ao seu público, como no caso do Inbound Marketing.

Analise as características:

1. Público específico

Através de técnicas de Marketing Digital, como SEO e palavras-chave, o seu público consegue encontrar seus materiais através de buscas. A grande vantagem é que você atrai o público que de fato está interessado em seu conteúdo. E é aí que você encontra uma abertura para apresentar os serviços ou produtos do seu negócio.

2. Troca de diálogo

Com uma comunicação de mão dupla, o público pode ter acesso ao material criado e divulgado pela sua empresa e promover discussões. Por exemplo, quando um público vai até a sua página do Facebook e envia uma mensagem por inbox.

3. Relacionamento

Com o Inbound Marketing, as marcas ficam mais próximas. O vínculo se estreita! É possível que consumidores propaguem o nome da sua empresa, defendendo a marca e apontando falhas quando necessário.

4. Ações ao longo prazo

Os materiais criados podem repercutir ao longo prazo. Por exemplo, um texto no blog, é possível acessar por anos e anos. É claro, com as devidas atualizações. Mas, dura bastante tempo. Outro exemplo são os materiais de e-book, entrando nesta mesma condição de atualização.

Vantagens do Inbound Marketing

Diferentemente do Outbound Marketing, o Inbound Marketing permite uma comunicação de mão dupla. Ou seja, em sua característica, existe diálogo com o público em questão.

As técnicas de Inbound Marketing geram relacionamentos mais estreitos entre empresas e possíveis clientes e, consequentemente, confiança.

Veja as vantagens Inbound Marketing e o porquê a sua empresa precisa investir nisso:

1. Aproximação com o cliente

Com a internet e um Marketing de Conteúdo bem feito, as pessoas podem chegar até a sua marca. Criar e-books, vídeos e textos para blogs, ricos em informações, facilitam a jornada do cliente. Assim, é possível encantar o seu público cada vez mais!

2. Convencimento

No Inbound Marketing, você tem maior poder de persuasão. Sendo este, um elemento muito importante para fechar vendas. Com um fluxo bem definido, você consegue conversar com o seu público, munindo de conteúdos relevantes. Depois, é possível mostrar como a sua marca pode contribuir para a resolução do problema dele, até a tomada de decisão.

Quando a gente fala de jornada de compra, temos as 3 etapas do funil.

  • Topo  (Aprendizado e descoberta);
  • Meio  (Consideração e intenção);
  • Fundo  (Avaliação e decisão).

Na imagem abaixo, você pode entender melhor como funciona o funil do inbound:

Funil de Vendas
Funil de Vendas | Imagem por rdstation.com

3. O preço é mais barato

Se você deseja saber sobre o custo de ter essa técnica no seu negócio, fique atento agora!

O Inbound Marketing é mais barato que as soluções tradicionais de divulgação. E, é um investimento muito eficiente! Com menos dinheiro, você pode aplicar no seu público-alvo específico e ter retornos incríveis.

+ Se você tem um negócio SaaS, leia também: Precificação SaaS: modelos de vendas, principais práticas e exemplos.

4. Facilidade para metrificar

Contra dados, não há argumentos! Não é mesmo? E, para um marketing de sucesso, é preciso analisar resultados para tomadas de decisões mais assertivas. No Inbound Marketing, é possível metrificar dados em tempo real. Assim, você consegue ver com precisão se o que a sua empresa faz está dando certo ou não.

Peças fundamentais para montar estratégias

Para montar a estratégia de Inbound Marketing da sua empresa, você precisar refletir muito bem sobre 4 pontos. A partir deles, você consegue ser mais assertivo e conquistar maiores resultados. Veja:

  • Persona;
  • Jornada;
  • Conteúdo;
  • Metodologia.

Marketing, Vendas e Gestão Financeira

Não basta adquirir um monte de clientes e não ter técnicas para fidelizá-los, né? Então, para facilitar o dia a dia da sua empresa, pense em ferramentas para automatizar processos.

A plataforma da Vindi, por exemplo, é completa para você realizar cobranças e fazer toda a gestão de pagamentos do seu negócio.

Com ela, é possível personalizar réguas cobranças, analisar relatórios em tempo real, fazer a gestão de clientes do seu negócio recorrente e muito mais.

Conheça a melhor plataforma de pagamento do mercado! 

Bônus


Redação por:
Natalie Angotti, copywriter e redatora da Vindi.

A importância do Outbound para Startups

Com o surgimento do Inbound marketing, muito se falava a respeito do suposto fim do tradicional outbound. Mas afinal, qual a diferença entre essas duas estratégias?

Foto por Startup Stock Photos no Pexels.

De maneira simplificada, enquanto no inbound você cria condições para o cliente vir até você, com o outbound, a empresa é quem vai até o cliente. O outbound pode ser definido como uma estratégia mais ativa, ou até mesmo agressiva comparada ao inbound, e por vezes visto como um modelo mais clássico.

O objetivo dessa estratégia é expandir de maneira mais eficaz a visibilidade do seu negócio, por meio de diversos métodos tradicionais de marketing como outdoor, publicidade em televisão e rádio, anúncios em redes sociais e muito mais. Ou seja, métodos que você já conhece.

Mas calma, não é fim do outbound. Muito pelo contrário, neste artigo vamos mostrar qual é a importância dessa estratégia para a sua startup no lançamento de um produto!

Quando o assunto é prospecção de clientes, o outbound é visto como uma estratégia ativa de prospecção. Atingindo a pessoa certa, o outbound tem o poder de finalizar o processo de venda mais rápido. E se tem uma coisa que empreendedor gosta, é resultado rápido, não é mesmo?

Um dos maiores desafios das startups, quando lançam um produto novo, é a falta de estudo adequado e análise da concorrência. Afinal, trata-se de um lançamento de algo antes nunca visto no mercado. Desta forma, a melhor alternativa para fazer essa avaliação de forma eficaz, é investindo em outbound.

O contato direto com o público revela os seus interesses, o que faz com que o fechamento do negócio seja mais rápido, mas também deixa evidente quem são as pessoas que não fecharão no momento.

A verdade é que o outbound está mais presente no nosso dia a dia do que podemos imaginar.

Quer saber mais sobre outbound, e como esse método pode contribuir para o sucesso da sua startup?

No dia 11/01, receberemos em Campinas Horacio Poblete e Tatiana Pezoa, empreendedores e co-fundadores da Trustvox, startup líder de mercado na coleta e publicação de reviews do ecommerce, para um workshop sobre outbound para startups. Saiba mais!


Redação:
Kelly Santos, da Campinas Tech.

Da ficção para a vida real, conheça a história do fundador da Pipehline

Desde a infância, Tercio Dias Pereira se encantava com filmes de personagens que começavam sua trajetória profissional do zero e, ao final, conseguiam construir grandes empresas. Inspirado por essas histórias, Tercio resolveu trilhar o seu próprio caminho dentro do empreendedorismo ainda na juventude. Atualmente, ele é o fundador e diretor executivo de Novos Negócios da Pipehline, empresa especializada em consultoria de Vendas e Marketing. Conheça um pouco mais sobre a carreira dele:

Tercio Dias Pereira | Foto: Divulgação

Poderia começar contando um pouco sobre a sua trajetória empreendedora?

Com esta maturidade de consciência que tenho hoje, comecei por volta de 2000. Na época, eu deva aula na Pós-Graduação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), em Jundiaí, e vários professores também trabalhavam como consultores independentes e/ou eram empresários. Com isso, trocávamos experiências sobre casos de sucesso e fracasso no
mundo empreendedor. Me lembro que ficava angustiado com o tempo que eles tinham para viver seus negócios, enquanto eu nunca tinha tempo de pensar em uma vida destas para mim. Sempre trabalhei muito para as empresas como funcionário e me sentia sufocado.

Quando este cenário mudou?

Eu trabalhava em uma grande empresa de tecnologia como Gerente de Filial e, em certa ocasião, um de nossos clientes me perguntou se eu poderia ajudá-lo a estruturar a sua área comercial. Daí eu pirei! Agradeci e recusei o convite, pois havia choque de interesses profissionais naquele caso, mas aquilo me inspirou e senti que era o momento de mudar minha vida. Coincidentemente acabei saindo da empresa pouco tempo depois e fui rapidamente assessorar este cliente. Foi nesta época que montei a Pipehline. Sozinho, inicialmente. Apanhei muito no começo e entendi que precisaria entender melhor o mercado de startups e novos modelos de negócios. Foi quando comecei a conhecer vários cursos na área e também a Associação Campinas Startups (ACS), hoje conhecida como Campinas Tech.

Houve algum momento de virada na construção do seu negócio?

Sim. Em um destes workshops acabei conhecendo meu sócio Rodnei Albuquerque. A partir de então, focamos na consultoria de Marketing e Vendas. Notamos que os empreendedores tinham muita dificuldade em decolar suas vendas, pois o mercado estava mudando rapidamente e eles não percebiam. Então entramos neste nicho e acertamos em cheio!

Quais foram os principais desafios que você precisou vencer ao longo desta trajetória?

Inicialmente, o desafio foi achar um modelo consistente e padronizado de implantação e sucesso. Iniciamos com Inbound Marketing puro, método que sempre fazia muito sentido para o mercado na época, mas no qual os resultados demoravam muito para chegar. Fomos pesquisando outros modelos de negócio e aprendendo coisas novas, chegada de novos parceiros, até acharmos o caminho certo. Outro desafio foi passar pelo ano de 2018, que afetou muito os negócios. A retração econômica foi muito forte em uma fase que estávamos com todas as turbinas ligadas. Sobrevivemos, mas foi complicado.

Tercio Dias Pereira | Foto: Divulgação

Como os desafios citados anteriormente foram enfrentados?

Com muita comunicação e humildade para escutar os clientes, comunicar internamente tudo o que estava acontecendo na empresa, trocar muita ideia e estabelecer métricas fáceis de extrair. Além de muita confiança e coragem de que
conseguiríamos passar por estes desafios!

Quais dicas você dá para quem deseja iniciar um novo negócio?

Conheça profundamente seu mercado, teste e pesquise muito sobre ele para entender se você realmente consegue resolver a dor deste segmento. Além disso, use métricas para entender os limites de suas capacidades e competências. Tenha humildade de pivotar e de buscar ajuda, afinal, ninguém nasce sabendo, bem como coragem e perseverança, pois ser empresário no Brasil é uma tarefa para heróis. Por fim, vá para a rua e venda! Sem cliente, você não tem uma empresa.

Você considera a região de Campinas é um bom lugar para os que desejam iniciar um novo negócio?

Sim. Se não fosse o ecossistema empreendedor de Campinas, a Pipehline nem teria nascido! Tem muita gente porreta, trabalhando muito para o sucesso da vida empreendedora. Sou muito grato a todos que conheci e que me ajudaram muito.

Na sua visão, o que a região oferece ou deveria oferecer como atrativo aos empreendedores?

O empresário precisa ter acesso a informações de muitas áreas empresariais diferentes e conseguir dividir suas dúvidas, problemas, etc… Na minha opinião, organizações como o Campinas Tech, bem como os coworkings e aceleradoras, estão se destacando justamente por atender estas demandas. Acredito que a região esteja no caminho certo!

 


Gostou desta entrevista? Confira também alguns conteúdos que o Tercio já compartilhou com o blog da Campinas Tech clicando aqui.

Campinas Tech reúne nomes de sucesso do marketing e vendas em mentoria para novos empreendedores

Edição de evento mensal de mentoria da associação trará empreendedores como Ricardo Corrêa para discutir sua jornada empreendedora, a importância de sua área de atuação e tirar dúvidas de quem está começando o seu negócio

Campinas, 18 de março de 2019 – A Campinas Tech promove na próxima quinta-feira (21 de março) mais uma edição de suas mentorias mensais para novos empreendedores e entusiastas do empreendedorismo. Intitulada “Como a Ramper fez mais de mil vendas em um ano”, a reunião, que acontecerá no Espaço Sete Criativo às 19:00 horas, contará com a presença de nomes de peso que empreenderam nas áreas de marketing e vendas, como Ricardo Corrêa – da Ramper; Tércio Pereira e Rodnei Alburquerque Ribeiro – da Pipehline Services; e Anderson Palma – da Growth Labs.

Ricardo Corrêa é CEO e cofundador do Ramper, um software de automação de outbound marketing que automatiza a prospecção de vendas B2B e que apenas em um ano conseguiu fazer mais de mil vendas. Atuando há mais de 13 anos como profissional da área no mercado de software, Corrêa estruturou e liderou áreas de marketing de empresas até fundar a sua própria, em 2012, realizando consultorias de vendas e marketing para centenas de companhias de tecnologia. Toda essa bagagem foi essencial para que fundasse a Ramper, em 2016.

Há 5 anos, a Pipehline Services, serviço de consultoria especializado em soluções para as áreas comercial e marketing, une tecnologia a projetos estruturados e integrados com o objetivo de solucionar e transformar oportunidades em resultados. Entusiastas por novas tecnologias, Tércio Pereira e Rodnei Albuquerque Ribeiro aplicam a experiências de suas carreiras de mais de 25 e 7 anos, respectivamente, para o sucesso da Pipehline no mercado digital.

Já André Palma, sócio-fundador do Growth Labs, tem mais de 15 anos de experiência em comunicação de agências e empresas de diversos portes dentro e fora do país. Hoje, atua como Growth Marketer especialista no funil de métricas piratas, mas também é professor de Marketing Digital, mentor no Founder Institute e palestrante nos maiores eventos de Marketing Digital e Growth Hacking do Brasil.

Como mentoria, o evento traz inspirações àqueles que estão no início do seu negócio ou que pensam em empreender, além de apresentar cases reais de sucesso tanto para imergir os participantes em como é o dia a dia desses empreendedores, bem como obter dicas e tirar dúvidas com os mesmos. Ainda, busca criar um ambiente propício para o networking entre participantes e convidados.

As reuniões de mentoria fazem parte de uma estratégia da Campinas Tech de fortalecer e impactar o empreendedorismo na região metropolitana de Campinas para seus associados e o público em geral, acontecendo mensalmente durante o ano. Em edições passadas, os encontros já contaram com convidados como Horácio Poblete e a Tatiana Pezoa, fundadores da Trustvox; e Julio Esslinger Viégas, sócio da Varejo360.

As inscrições podem ser feitas pelo Sympla e qualquer dúvida ou mais informações podem ser esclarecidas por meio dos canais de comunicação da Campinas Tech.

Como vender mais no B2B na era do cliente 2.0?

Como vendemos mais ou voltamos a vender na era do consumidor educado? Você cria um time de vendas que utilize processos mais inteligentes.

Foto por Dane Deaner no Unsplash.

Nos últimos anos tenho conversado com diversos diretores comerciais e diretores de marketing que atuam no mercado corporativo, e confesso que tenho ficado muito preocupado em como eles se sentem completamente despreparados para lidar com metas de vendas e a estabilidade de suas empresas na era do comprador altamente capacitado.

É verdade que a mudança foi muito rápida, em agosto de 2018 a Forrester descobriu em um relatório que 68% dos compradores B2B preferem pesquisar por conta própria, em vez de ter que falar com um vendedor, um aumento de 15% em relação há apenas dois anos.

Apesar de ser novo, tenho quase sete anos de experiência no mercado corporativo brasileiro. Houve uma época em que os diretores comerciais e diretores de marketing eram os responsáveis pelas informações, eles controlavam o processo de compra e venda.

Sabe o que está acontecendo agora? Os compradores estão fazendo isto! E eles estão mais preparados do que nunca para esse processo.

As empresas brasileiras que se adaptarem a esse processo disruptivo terão grandes chances de sobreviver. Aqui está a grande verdade: você faz algo realmente diferente sobre isso ou seus concorrentes certamente o farão.

O fato é que o valor do vendedor em um ambiente corporativo continua sendo inestimável. Um relatório fornecido pelo LinkedIn em outubro de 2018 mostra que o círculo de tomadores de decisão sobre uma compra é composto por sete pessoas em média.

São sete pessoas diferentes e muitas vezes de áreas diferentes dentro da empresa, que precisam ser coordenadas em torno de uma causa comum que tenha a ver com os problemas exclusivos de cada área. Isso mudou a expectativa que os compradores esperam dos vendedores.

O relatório do LinkedIn, que citei anteriormente também, mostra as qualidades mais bem avaliadas dos vendedores pelos compradores de hoje nos momentos de negociações são:

  1. Estar bem informado sobre a indústria do comprador (91% dos compradores entrevistados);
  2. Ser consultivo (91% dos compradores);
  3. Estar muito bem informado sobre a empresa prospectada (90% dos compradores);
  4. Ser confiável (88% dos compradores).

Antes que você entre em desespero, saiba que o papel do vendedor não está se tornando obsoleto no mercado brasileiro: ele simplesmente mudou. A era da educação exige que as empresas usem processos mais inteligentes de venda.

Mas como funciona o novo processo de educação e como você pode adaptá-lo em sua empresa?

1º) Estude, pesquise e estude mais

Uma coisa precisa ficar muito clara, os compradores não são os únicos que têm acesso às informações. As equipes de vendas também precisam aprender a utilizar a abundância de informações que está disponível publicamente.

Os relatórios e notícias divulgados das pelas empresas em seus perfis sociais podem fornecer informações valiosas sobre o estado atual da empresa e seus objetivos futuros.

O LinkedIn é uma mina de ouro para qualquer vendedor inteligente que precisa descobrir quem é o decisor principal na empresa e quem mais faz parte da equipe dele. Muitas vezes os comentários em publicações entregam essa informação. Notas emitidas à imprensa, alterações no website ou materiais de marketing disponíveis nos meios digitais também podem ajudar a equipe de vendas a decifrar o que está funcionando entre seus serviços, ofertas e o que precisa ser alterado na empresa do comprador.

Para você ter ideia, muitos vendedores chegam em seus escritórios depois de uma reunião reclamando que o comprador entendia mais sobre seu produto ou serviço do que ele mesmo, pelo menos é isso que tenho notado no mercado.

Aqui na Pipehline Services, eu desafio regularmente nosso time de vendas dizendo que eles devem realizar seu primeiro contato com potenciais clientes sabendo mais sobre a empresa, equipe envolvida, produtos ou serviços e seus problemas do que o próprio comprador. Isso exige uma quantidade incrível de estudo e pesquisa, mas o resultado vale a pena.

Como última análise, o comentário “Uau, você sabe mais sobre a nossa empresa do que nós mesmos” é o indicador mais importante para saber se um contrato será assinado.

2º) Aprenda a escrever utilizando dados

A necessidade de escrever uma mensagem bem alinhada com as necessidades do comprador só aumentou nos últimos anos. Considerando que há mais ou menos sete anos o e-mail era a principal (e geralmente única) forma de comunicação entre um vendedor e um comprador, agora os canais de SMS e o próprio Linkedin se tornam igualmente importantes. E cada canal exige seu próprio estilo de escrita.

Mais uma vez, aproveite a abundância de dados disponíveis para ajudar a sua equipe de vendas e marketing a dominar esses estilos de escrita.

Não tem coisa melhor do que ver a equipe compartilhando o que funciona melhor para cada um em cada canal. Nosso objetivo de vendas é um só, não podemos travar uma briga para saber quem vende mais e quem vende menos. Isso é coisa do passado.

Dessa forma todos se relacionam com os compradores através de mensagens personalizadas e correlacionam quais realmente influenciam no fato de o comprador interagir ou não com uma ação.

Todo representante de vendas deve saber como utilizar mensagens personalizadas, e toda a organização de vendas deve extrair e compartilhar os aprendizados amplamente com o objetivo de criar uma equipe autogerida.

Os dados também são a chave na hora de criar um conteúdo para o LinkedIn ou para o blog da sua empresa. Há muitos casos de profissionais de vendas e marketing que aprenderam com sucesso a como utilizar o LinkedIn para construir um relacionamento com compradores, basta pesquisar no Google ou Bing.

O que é fundamental então para construir conteúdos para se relacionar com o seu público-alvo? Dados! Eles estão disponíveis amplamente, basta que você saiba como utilizar um processo inteligente de vendas com o apoio de ferramentas adequadas.

3º) Tenha uma equipe criativa e uma inteligência comercial afiada

E-books de venda, vídeos, webinários são ótimos para o treinamento e preparação de um potencial cliente, mas eles também podem ser restritivos.

A experiência de compra do consumidor, principalmente depois da Amazon e do Netflix chegarem ao Brasil, tornou-se tão personalizada que os compradores do meio corporativo esperam níveis semelhantes de personalização em suas experiências de relacionamentos com fornecedores.

Os times de venda e marketing, portanto, não podem fazer novos negócios ou identificar novas oportunidades em clientes simplesmente seguindo de forma rigorosa uma cartilha de vendas. Ao invés disso, toda a equipe deve ser criativa e estar alinhada com a inteligência comercial que está sendo utilizada no processo de aquisição de novos clientes.

Os vendedores/closers devem ser capazes de entrar em uma reunião e ler visualmente quem está presente, seja uma reunião presencial ou online, e direcionar a mensagem para todos os decisores. Vamos utilizar um exemplo: imagine que você é um vendedor/closer e foi até uma reunião para identificar a real oportunidade de um novo contrato que foi mapeado pelo seu time de aquisição ativa.

Alguns minutos antes da reunião você fica sabendo que o CEO da empresa foi convidado para participar deste primeiro encontro. Há sete anos, até eu teria ficado abalado. No entanto, para essa reunião, você sabia quem ele era e, por meio de uma pesquisa prévia no LinkedIn, você sabia há quanto tempo ele estava na empresa e quais conteúdos costumava consumir neste canal.

Você automaticamente entra em ação, mudando a mensagem da apresentação de forma que ela também se concentre em atender as expectativas do CEO quanto aos objetivos do seu cargo naquela empresa.

Como você soube antecipadamente através do seu time de aquisição ativa quem eram os possíveis envolvidos nessa reunião, você trouxe uma apresentação que atendesse as necessidades de todos.

Dessa forma você é visto como extremamente experiente, um ótimo(a) consultor(a) e parceiro para toda a empresa daqui para frente.

Conclusão

Quando as equipes de vendas e marketing começarem a aprender como usar a abundância de informações disponíveis da mesma forma que os compradores utilizam, os resultados serão positivos para ambas as partes. As conversas se tornarão mais personalizadas e produtivas, além do comprador obter uma solução mais adequada à necessidade dele. E talvez, o mais importante, relacionamentos verdadeiros serão construídos.

Os pessimistas que falam da morte do vendedor B2B ou do vendedor corporativo são simplesmente pessoas mal informadas. O futuro das vendas B2B é brilhante, no entanto, se resume a dados e tecnologias disruptivas.

Se você precisa de ajuda na implantação desse processo em sua empresa, além de outros serviços que podem aumentar de forma exponencial a visibilidade do seu produto ou serviço para o seu segmento de mer

cado, não deixe de acessar o site da Pipehline Services e solicitar uma proposta.

Até a próxima!

Texto por:

Rodnei Albuquerque Ribeiro – Cofundador da Pipehline Service.


Originalmente publicado pelo blog Pipehline, associado da Campinas TECH.

Gostou deste artigo? Confira também como a automação do marketing pode revolucionar as suas vendas aqui.

Assessoria de imprensa: quando a notícia é o negócio

Entenda a importância desta área da comunicação e como ela pode ser usada a favor de empresas de diferentes portes

Não raro, nos deparamos com notícias veiculadas na mídia que são frutos do trabalho de um assessor de imprensa. Em resumo, o assessor de imprensa é o profissional responsável por fazer a ponte entre a sua empresa e os jornalistas. Mais do que isso, um trabalho bem desenvolvido nesta área pode ser a chave de virada para aumentar a visibilidade do seu negócio junto a públicos estratégicos, por meio da menção em jornais, revistas, sites e portais.

Segundo a Analista do Sebrae, Denyse Quintas, o jornalista – por meio da assessoria de imprensa, consegue emplacar matérias utilizando a mídia espontânea, o que significa repercussão sem ônus para o seu negócio. Na maioria das vezes, esse tipo de publicação ganha mais destaque do que a propaganda. Afinal, uma matéria jornalística escrita por um jornalista profissional transmite mais credibilidade para o leitor do que um anúncio, no qual a empresa fala de si mesma.

Levando em consideração a competitividade entre as micro e pequenas empresas, o Sebrae defende que a comunicação é parte estratégica para àqueles que desejam concretizar e ampliar a presença de uma marca. “Para que um empresário de micro e pequenos negócios procure uma assessoria de imprensa, é necessário determinação para se apresentar ao mercado, ser ousado em tornar a sua marca conhecida e estar pronto para conquistar novos clientes”, sinaliza Denyse, em artigo publicado sobre o assunto.

O que você precisa saber antes de contratar este serviço

A Endeavor Brasil, organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo, alerta para um fato importante: o trabalho de uma assessoria de imprensa é muito mais estratégico do que qualquer coisa. Logo, o assessor é a pessoa que tem conhecimento amplo sobre os veículos e espaços dentro de cada veículo e poderá traçar uma estratégia de divulgação condizente com os objetivos de seu negócio.

É ele quem desenvolverá um plano de comunicação listando todos os canais de comunicação relevantes para a sua empresa e analisando de que maneira sua marca poderia integrar as pautas destes veículos. No entanto, é importante esclarecer que uma assessoria de imprensa não faz milagre: é preciso haver conteúdo relevante para que este relacionamento com a imprensa se consolide. Trata-se, então, de uma via de mão dupla que envolve determinar junto ao cliente o que será divulgado para, na sequência, traçar uma estratégia matadora e colocar a mão na massa!


Texto por:

Adriana Roma e Letícia Milaré – Há Propósito Comunicação, parceira da Campinas Tech.

Como a Automação de Marketing pode revolucionar suas vendas?

A automação de marketing é cada vez mais importante para o sucesso de uma estratégia de Marketing Digital, ocupando uma posição de destaque nas organizações com uma forte presença online.

Isso porque a automação de marketing é capaz de facilitar o trabalho dos profissionais da área, permitindo que alguns processos de vendas sejam feitos de maneira mais rápida e prática, aumentando as vendas da empresa.

O que é automação de marketing?

A automação de marketing se refere ao uso de softwares e outras tecnologias que tem o objetivo de automatizar as rotinas de marketing de uma empresa.

Uma ferramenta de automação tem o objetivo de facilitar o trabalho de um profissional de marketing, permitindo que ele execute um número maior de tarefas em um menor tempo.

Desta maneira é possível delegar para a ferramenta de automação algumas tarefas repetitivas, que não exigem muito raciocínio, como o envio de e-mails, por exemplo. Assim a sua empresa poderá aumentar a eficiência de suas campanhas promocionais, garantindo melhores resultados para sua organização.

Como a automação de marketing pode aumentar as vendas?

Os benefícios da automação de marketing vão além da otimização do trabalho ou a redução de erros na execução de sua estratégia. Uma boa ferramenta de automação também pode ser útil para aumentar as vendas.

Entre os principais motivos podemos listar:

Ajuda a alinhar os processos de marketing e vendas

Um dos principais benefícios de utilizar uma ferramenta de automação em sua empresa é que ela ajuda alinhar os processos entre os times de marketing e vendas, fazendo com que eles trabalhem juntos.

Isso porque a automação de marketing pode ajudar na definição de objetivos em comum entre ambas as equipes, exigindo que elas troquem informações entre si para serem capazes de gerar leads mais qualificados.

Quanto mais alinhadas as equipes, mais você poderá conhecer sobre seus clientes, tornando suas ações mais eficientes e, assim, aumentando as vendas de sua organização.

Controla o ciclo de vida do cliente

As ferramentas de automação também são muito úteis para controlar o ciclo de vida de cada um de seus clientes.

Com uma boa ferramenta é possível saber exatamente quais de seus clientes se encontram no topo, no meio ou no fundo do funil de vendas. Assim você será capaz de direcionar a sua comunicação e ajustar seus argumentos de venda para gerarem melhores resultados em cada grupo de clientes.

Além de ajudar você a melhorar todo o seu plano de nutrição de leads, controlar melhor o ciclo de vida de seus clientes facilita o entendimento de quais devem ser os próximos passos de sua campanha promocional, o que influencia diretamente nas vendas de sua organização.

Otimiza o tempo dos vendedores

Outro benefício gerado pelas ferramentas de automação é que elas otimizam a rotina de trabalho dos vendedores, aumentando a eficiência do ciclo de vendas entre 10% a 15%, segundo dados da Entrepreneur.

Isso porque uma boa ferramenta de automação de marketing é capaz de indicar para seu time de vendas os prospects que estão mais preparados para fechar negócio com sua organização.

Assim seu time comercial poderá priorizar o contato com estes leads mais qualificados, reduzindo o tempo usado para convencer o cliente sobre a importância e os benefícios gerados pela contratação de seu produto.

Diminuindo o tempo usado para a prospecção de clientes e fazendo contato com aqueles que já estão prontos para fechar negócio, seu time de vendas será mais eficiente.

E você, ainda tem dúvidas sobre como a automação de marketing pode ajudar a sua empresa? Nos acompanhe e descubra como nós podemos ajudar você a melhorar sua estratégia e aumentar as vendas da sua empresa! Contate conosco para mais informações pelo e-mail: contato@pipehline.com.br

Texto por:

Tercio Dias Pereira – Diretor de Novos Negócios Pipehline.


Originalmente publicado pelo blog Pipehline, associado da Campinas TECH.

Gostou deste artigo? Confira também como a análise de métricas de marketing pode ajudar o seu negócio aqui.

Por que você deve analisar as métricas de marketing do seu negócio

Marketing é mais do que promover campanhas para a empresa. Uma estratégia vencedora leva em conta diversos aspectos e, entre eles, está a análise de resultados. As chamadas métricas de marketing oferecem dados valiosos para o trabalho de divulgação e relacionamento com seu público-alvo.

Em um ambiente em que a concorrência é grande, contar com uma base de dados ampla é um diferencial estratégico. É a partir das métricas que a empresa conseguirá entender qual tipo de conteúdo é mais atrativo para os seus clientes, qual é a melhor linguagem a ser utilizada e quais são as melhores estratégias a serem adotadas nos processos de comunicação.

Métricas de marketing para melhor resultado

O marketing tradicional tem um problema: a dificuldade de medir resultados. Por mais que se acompanhe a audiência de programas de rádio e TV, saber o retorno de um comercial para uma empresa é bastante complicado. Quando falamos de outdoors, panfletos e publicidade em veículos impressos, a dificuldade é maior ainda.

Na internet, por outro lado, a medição das ações de marketing é mais fácil. Ferramentas de monitoramento conseguem gerar dados necessários para entender como as pessoas se relacionam com a sua marca, seus produtos, suas campanhas de divulgação, o mercado em que está inserido, os concorrentes, entre outros aspectos.

Com essas informações é possível identificar quais valores importam para o seu público e, com isso, construir um planejamento de marketing para se comunicar de maneira eficiente com seus clientes potenciais e atuais, o que aumenta as suas chances de fazer negócios e fortalecer a sua marca.

Análise de dados e o mercado corporativo

Devido às suas vantagens estratégicas, as métricas de marketing têm se destacado no mundo corporativo.

De acordo com uma pesquisa de CMO Survey publicada pela Harvard Business Review no final de 2015, as empresas gastam 6,7% dos seus orçamentos de marketing na análise de resultados. A expectativa é de que esses valores cresçam 73% até 2018 — chegando a 11,1% dos valores gastos em comunicação.

Esses dados demonstram que as empresas perceberam a importância da análise de resultados para as suas estratégias comerciais e têm visto nessa ferramenta uma forma de obter vantagens competitivas frente aos seus concorrentes.

Portanto, as métricas têm se mostrado grandes aliadas para conquistar as pessoas e reforçar a imagem institucional.

Tecnologia integradas e a mensuração de resultados

Existem no mercado diversas ferramentas de mensuração, e as empresas costumam usar apenas um modelo para fazer essa medição. Porém, apostar em uma abordagem integrada pode garantir resultados mais abrangentes e orientar melhor os investimentos feitos em marketing.

Ao monitorar uma campanha, a equipe de comunicação pode adotar, por exemplo, por uma análise de dados diretas para medir suas taxas de conversão e o alcance de suas ações.

Ao mesmo tempo, pode checar os insights gerados com o objetivo de potencializar o trabalho de marketing — melhorando o custo-benefício da campanha. Vantagens que a tecnologia torna acessível a qualquer negócio!

Texto por:

Tercio Dias Pereira – Diretor de Novos Negócios Pipehline.

Originalmente publicado pelo blog Pipehline, associado da Campinas TECH.